Pesquisar este blog

Carregando...

domingo, 4 de julho de 2010

PAPEL DE MACONHA

Se anos atrás os usuários de maconha faziam seu baseado com papel comum ou guardanapo de boteco, o cigarro de hoje ganhou mais requinte. Comprado facilmente em postos de gasolina, tabacarias, bancas de revista e no Camelódromo, a maioria dos ''rolling smoking'' ou ''cigarette paper'' - papel de enrolar cigarro - é feito a partir das fibras do cânhamo, oriundo de uma planta do gênero Cannabis, o que, segundo consumidores, garante um baseado mais autêntico, sem a interferência do sabor de outras substâncias.
Tanto que as marcas mais conhecidas no mercado vêm com o selo ''Pure Hemp'', que traduzido para o português significa ''maconha pura''. Além do nome sugestivo, tem um custo acessível, em torno de R$ 5, em média, para cerca de 30 folhas.
As folhas são muito comuns nas rodas de maconha mais elitizadas. ''O Pure não queima a garganta como o papel normal e já vem no tamanho do baseado. Ele enrola melhor e, por ser feito de maconha, o cigarro fica puro'', conta César (nome fictício), de 22 anos, ex-usuário de drogas.
Diante do relato do ex-dependente, fica a dúvida: se no Brasil tanto o uso quanto o transporte e o plantio da maconha são considerados crimes, como fica a comercialização de produtos que usam a fibra da planta em sua composição? Isso porque, mesmo que seja o público alvo, a princípio, a finalidade do produto não seria para o uso da maconha, mas para qualquer tipo de fumo.
Os produtos aos quais a reportagem teve acesso são fabricados na Espanha, mas distribuídos por uma empresa brasileira com sede em São Paulo. Durante várias vezes a FOLHA ligou e deixou recados com a secretária para falar com o responsável, mas não obteve retorno. Em uma das tentativas, o diretor-geral, que não se identificou, chegou a atender, porém disse que não poderia dar entrevista, pois estava em uma reunião. Depois disso, o celular ficou desligado. 
Segundo o delegado da Polícia Federal em Londrina, Pedro Paulo de Figueiredo, o produto poderia ser apreendido se fosse comprovado que é fruto de contrabando - com entrada no país sem permissão - ou descaminho - quando não se paga imposto. ''Mas para o produto ser ilegal no país e enquadrado como entorpecente, por exemplo, o laudo pericial deve dizer que este causa dependência física ou psíquica.''
Assim como o papel que é feito da fibra do cânhamo, ele lembra que outros produtos importados têm a mesma origem, como camisetas, bonés, tênis. ''A fibra em si não causa dependência. Isso é que tem que ficar claro. Mas há a questão da apologia ao uso da droga presente nestas mercadorias. Entretanto, esse argumento é frágil para alguém responder criminalmente'', explica.
(Fonte: Marian Trigueiros e Bruno Maffi/Folha dde Londrina)

11 comentários:

  1. ''Mas para o produto ser ilegal no país e enquadrado como entorpecente, por exemplo, o laudo pericial deve dizer que este causa dependência física ou psíquica.''

    Álccol e Cigarro tem chances muito maiores de causar dependência, comparado com maconha e nem por isso é ilícito.

    Maconha, causa vício (é muito diferente de depender ou dependência), muitas coisas legais são viciantes, como por exemplo um video-game para uma criança.

    Só pra acabar um pouco com os mitos, esclarescendo verdades.


    Eu sei que o assunto não é esse, mas não pude deixar de ressaltar.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Igor.
    Há controvérsias sobre o que você escreveu.
    O debate é sempre saudável, mas para "acabar com mitos e esclarecer verdades", certamente falta muito.
    Continue por aqui.
    Um abraço.
    Joni

    ResponderExcluir
  3. Olá. Gostaria de esclarecer quem está lendo isso de que, na verdade, esses papéis não são feitos de maconha, e quem redigiu a noticia está totalmente equivocado com toda essa polêmica gerada em torno do papel. O papel é feito de fibra de arroz, não de cannabis.

    ResponderExcluir
  4. Yudi, me desculpa.

    Existem diferentes tipos de papeis, com fibras de arroz anto como de cannabis, entre outras. Procure se informar.

    Abraco

    ResponderExcluir
  5. No caso não é fibra de cannabis e sim de canhãmo que é um genero de cannabis que não da a famosa "onda".

    ResponderExcluir
  6. A pure hemp e ilegal no pais?

    ResponderExcluir
  7. como que bola essa porra?

    ResponderExcluir
  8. O cânhamo é uma das fibras mais resistentes do mundo e desta fibra pode ser feito inúmeros produtos. Todo esse alarde por conta do papel de canhamo é um absurdo e mostra o quão ignorante a maioria está com relação ao assunto. O papel não traz o thc, isto é fato. E se comparado aos outros tipos de papeis, o canhamo leva vantagem por qualidade, combustão, gosto, textura, etc. Sobre a apologia em algumas embalagens, de fato existe, e o lado bom disso é que as pessoas estão se informando, pesquisando... Mais apologia do que propagandas machistas e imbecis de cerveja não posso imaginar... E o alcool é responsável por mortes e mais mortes (em oposição à cannabis que possui taxa zero de mortes por consumo). E isso sem falar no tabaco e seu uso mecânico e trágico.
    Sobre o vicio, a dependência, a maioria continua desinformado. É fato que o café, o bom e velho companheiro do dia-a-dia, vicia bem mais do que a cannabis e causa muitos mais danos à saúde. Dorflex mata mais do que a cannabis e é vendido em qualquer farmácia pra qualquer um. Na verdade qualquer um hoje em dia pode conseguir drogas potentes em qualquer farmácia, como Artamio, ciclopégico, Vallium...
    Antes de ficarem preocupados com papel feito de canhamo, deveriam informar as pessoas e acabar com essa "satanização" da maconha. Acabam marginalizando usuários, colocando eles a mercê de traficantes e outras drogas, levando inocentes à prisão, destruindo vidas e colocando a culpa na maconha, onde na verdade a culpa é da ignorância, dos interesses político-econômicos e do preconceito.Deveríamos seguir o exemplo de lugares como a Holanda, Espanha, Portugal, Argentina e alguns estados americanos. Proibir nunca será o caminho e a solução, pois é a proibição que gera todo esse problema. E enquanto não descriminaliza ou legaliza, vamos enchendo a cara de cachaça e nossos pulmões de câncer, rindo com propagandas de cerveja idiotas que desvalorizam a mulher, provocando violência e morte apoiados por nossa lei hipocrita e falha.

    ResponderExcluir
  9. a manga rosa chapa mas ki as outras variedades de maconha??

    ResponderExcluir
  10. o que é proibido no brasil é o comercio de drogas e n o comercio de papel kkkkkkk

    ResponderExcluir
  11. Sim, videogame pode viciar mais que maconha. Sim. Realmente, descobrimos que tudo é possível. Entretanto, se vc expor um grupo de seres humanos ao videogame, outro ao uso de maconha, vc vai descobrir que os drogados estarão muito mais viciados que os expostos aos videogames. Se você expor ao tabaco e à maconha, igualmente os segundos estarão mais viciados, e seus cérebros com maiores danos. Ora. É o próprio efeito da droga, no cérebro, que vicia farmacologicamente, e lesiona. Se não viciasse (muito mais que os diazepinicos como citado aqui; Dorflex: quem escreveu não tem nenhuma noção do que diz); se não viciasse, se não agisse diretamente nos circuitos de recompensa, ora, não seria maconha...! Seria cigarro de água! Ops! Água pode 'viciar', como virtualmente tudo, dependendo da neurose da pessoa. Mas, voltando à farmacologia, dizer que maconha não vicia é pura ignorância. Visite uma biblioteca e leia livros de neurofisiologia e farmacologia. Estude! ;)

    ResponderExcluir