Pesquisar este blog

sábado, 30 de outubro de 2010

DOENÇA DE MENIERE

Visão lateral do implante que visa tratar os sintomas da
 Síndrome de Meniere, que provoca desequilíbrios e vários outros sintomas debilitantes.
[Imagem: Cochlear Ltd.]
Um paciente tratado no Centro Médico da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, acaba de receber o primeiro implante de um dispositivo que visa acabar com as incapacitantes vertigens associadas com a doença de Meniere.
Os médicos que desenvolveram o dispositivo implantável esperam que o sucesso do experimento, que envolverá 10 pacientes, leve ao desenvolvimento de implante similares para outros distúrbios do equilíbrio mais comuns - popularmente conhecidos como labirintite - que atormentam milhões de pessoas em todo o mundo.
"O que estamos propondo aqui é uma terapia potencialmente mais segura e mais eficaz do que a que existe agora," diz o Dr Jay Rubinstein, um cirurgião auditivo que ajudou a desenvolver o implante.
Síndrome de Meniere
A Síndrome de Meniere pode atingir qualquer pessoa, mas ocorre principalmente em pessoas entre as idades de 30 e 50 anos. A doença acomete mais frequentemente um dos ouvidos, embora cerca de 30 por cento dos casos sejam bilaterais.
A doença afeta a audição e o equilíbrio, com variada intensidade e frequência, mas pode ser extremamente debilitante.
Acredita-se que suas crises episódicas resultem da ruptura de uma membrana do ouvido interno. O fluido endolinfático vaza do sistema vestibular, causando estragos à percepção de equilíbrio pelo cérebro.
Para evitar náuseas e vômitos, as pessoas devem ficar deitadas, geralmente durante várias horas e às vezes até metade de um dia, enquanto a membrana se autorrepara e o equilíbrio é restaurado.
Como os ataques surgem praticamente sem aviso, um diagnóstico da Síndrome de Meniere pode levar as pessoas a mudar de carreira e ter limitações em seus estilos de vida.
Implante contra labirintite
Com o novo implante, os médicos esperam restaurar o equilíbrio do paciente durante os ataques, deixando a função auditiva normal.
O paciente usará um processador instalado atrás da orelha comprometida e pode ativá-lo quando sentir o início de um ataque. O processador comunica-se por meio de sinais de rádio com o implante, que é inserido cirurgicamente no interior de um pequeno furo feito no osso temporal. O implante, por sua vez, transmite impulsos elétricos através de três eletrodos inseridos dentro dos canais do labirinto, no ouvido interno.
"É uma substituição", explica o Dr. James Phillips, membro da equipe. "Isso não muda o que está acontecendo na orelha, mas elimina os sintomas, substituindo a função do ouvido até que ele se recupere."
Segundo ele, se o teste for bem-sucedido, isso irá incentivar a colaboração da equipe com outros pesquisadores que estudam distúrbios do equilíbrio mais comuns na população.
(Fonte: diariodasaude.com.br)

12 comentários:

  1. Achei muito interessante esse aparelho, torço para que de certo.

    ResponderExcluir
  2. Olá.
    Dará! Questão de tempo!
    Um abraço
    Joni

    ResponderExcluir
  3. olá a todos companhaeiros da doença ! aqui vos deixo umas dicas importantes para melhorar a nossa qualidade de vida não ao sal .não ao cafe .coca cola chocolate chá alcool e verão que só por isso terão rapidas melhora não ao stress não ao tabaco .verão que vale a pena tentar ! eu tentei e melhorei bastante . as melhoras a todos e não desesperem

    ResponderExcluir
  4. Peço a Deus que estes testes deem certo, e chegue logo à população.
    Será um grande feito, a nos que sofremos dessa doença

    ResponderExcluir
  5. peço a deus q de certo,pois ja sofro com isso ha 5 anos tenho crise de dura o dia todo,so vomitando minha vida mudou completamente e so tenho agora 45 anos,tenho medo de piora com a idade essa sindrome e uma doença aldita,selma desao gonçalo

    ResponderExcluir
  6. Descobri esta doença há uns dois anos. Tive a primeira crise aos 30 anos, hoje tenho 42 anos, mas apesar das crises insistente Deus tem me ensinado a conviver com minhas limitações, tem me sustentados em todos os momentos de minha vida. Sou professora readaptada no município de Belḿm, e Coordenadora na rede estadual tenho uma vida normal foço acompanhamento com medicamentosa e terapeutica.
    Caros colegas não se desesperem, apenas confiem em Deus e tenham acompanhamento médico o SUS (Sistema Único de Saúde) dispoẽs de médico otorrino para tratar desta doença.

    ResponderExcluir
  7. Belém, 23 de agosto de 2012
    Estamos em 2012, gostaria de saber se já tem para vender o implante auditivo inventado pelo Dr. James Phillips e qual o valor, vem para o Brasil( Belém-Pará)

    ResponderExcluir
  8. faço reabilitaçao vestibular para o controle da Manieri alguem´ja experimentou. Me sinto otima... Mas seguara

    ResponderExcluir
  9. EU DESCOBRI QUE TENHO ESTA DOENÇA A 2 MESES ONDE EU MORRO NÃO TEM TRATAMENTO SO MEDICAMENTO PARA ALIVIAR ...MEU MEDICO DIZ QUE NÃO TEM TRATAMENTO CIRUGICO EU QUERIA SABER SE ALGUEM SABE SE JÁ EXISTE ALGUM TRATAMENTO EU FAÇO CAMINHA PARA ME AJUDAR NO EQUILIBLIO

    ResponderExcluir
  10. Fui diagnosticada com menière aos 32 anos e com um filho de 2 anos. A vida estressada entre trabalho, filho pequeno deve ter deflagrado a primeira crise. Não aceitei o diagnóstico pois não queria viver limitada. Busquei todas as terapias alternativas. Passei a fazer terapia e acupultura 1X por semana, pratiquei esportes algumas vezes por semana, aderi aos florais. Cortei o cafeína e praticamente o sódio dos alimentos, mas mesmo assim continuava tomando 24 mg de labirrin que me impediam de engravidar novamente. Recorri então a um tratamento espiritual com João de Deus, em Abadiânia, próximo a Brasília. Em quase 1 ano voltei 3 vezes para o tratamento. Fui totalmente descrente, pois sou daquelas que só vendo para crer. Hoje, depois de quase 10 meses de tratamento estou sem medicação, os zumbidos sumiram e me sinto muito bem. Deixo aqui meu testemunho pq gostaria de ajudar as pessoas que ainda estão com esta doença a buscar um caminho diferente. Só quem já passou por isso sabe o quanto é apavorante se tornar refém do medo e da limitação. Para aqueles que nunca ouviram falar em João de Deus, ele saiu na capa da revista Vejinha esta semana.

    ResponderExcluir
  11. Sofro desta doença a 5 anos. Já estudei vários artigos e aprendi muita coisa na pratica por ser uma vítima. Sei que é uma doeñça sem cura, cíclica, causada pelo acumulo do fluido do ouvido interno que na crise mais forte ocorre o rompimento e mistura de liquidos internos, deixando o cerebro confuso. Entretanto venho convivendo com os zumbidos, presões auditivas e algumas tonteiras mais leves, mas as crises não são controladas. Alguem já pensou (especialista ou pesquisador)em algum exercício ou remédio para causar as crises dentro de casa antes de dormir? Já que em média a crise dura de 30 min a 2 horas e com o passar do tempo vamos aprendendo a vivier com a doença. Desta forma controlomas o dia das crises! Alguém tem algum comentário?

    ResponderExcluir
  12. Boa tarde! Fui diagnosticado com 17 anos com essa patologia e hoje tenho 30. No meu caso, talvez por ter hábitos de vida mais saudáveis, não sinto tanto, mas a cada um ou três anos a crise aparece. Sempre tenho um Dramin/Meclin em casa e Caio pra cama descansar, logo me reestabeleco. Acredito que com medicação adequada, hábitos saudáveis e controle da pressão arterial, o indivíduo consegue levar uma vida bem melhor. O importante é se cuidar, aceitar sua doença e não perder a esperança num bom tratamento, mesmo que seja a mudança do médico. Um grande abraço e saúde a todos.

    ResponderExcluir