Pesquisar este blog

Carregando...

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

LIAN GONG EM 18 TERAPIAS



MARIA LÚCIA LEE
Introdutora do Lian Gong no Brasil e minha professora nos cursos que
ministrou e eu os concluí em São Paulo
(Lian Gong em 18 Terapias, I Qi Gong, Xian Gong, Tai Ji Qi Gong em 28 exercícios) 
Maria Lucia Lee, nasceu em Taiwan em 1949 e veio ao Brasil aos dois anos de idade. Formou-se no Instituto de Física da Universidade de São Paulo (1972). Desde 1982 dedica-se ao trabalho de pesquisa e ensino das artes corporais chinesas e sua filosofia. Desde então introduziu no Brasil diversos métodos de exercícios terapêuticos da Medicina Tradicional Chinesa divulgando-os através de publicações, DVDs e cursos.(Fonte: http://www.palasathena.org.br/)
Lian significa treinar, e Gong (pronuncia-se "kun") quer dizer trabalho persistente. A técnica chinesa Lian Gong em 18 terapias consiste em um trabalho persistente de treinar o corpo para transformá-lo harmoniosamente. As aulas exercitam todas as partes do corpo, inclusive os órgãos internos, fortalecendo-o e combatendo dores. Voltado para todas as faixas etárias, o método pode ser especialmente benéfico para a terceira idade devido à consciência corporal que se adquire com a prática, além de auxiliar a reverter as limitações advindas com o tempo.
"É um método especialmente projetado para a prevenção e o tratamento de dores no corpo. Tem como característica básica o fato de tratar objetivamente e com simplicidade de problemas específicos", define a professora Fádua Gustin, que dá aulas de Lian Gong na Sociedade Taoísta do Rio de Janeiro.
Fádua conheceu a técnica chinesa a partir de uma doença muscular que a fez sair da dança, uma de suas paixões. Para se curar, passou a fazer Yoga até conhecer a professora Maristela Botelho, que estava começando a difundir a técnica em Belo Horizonte. "A minha melhora foi significativa. Devo ao Lian Gong o fortalecimento do meu corpo", diz ela.
As aulas são ministradas duas vezes por semana, com cerca de quarenta minutos cada uma. Para tornar o clima alegre e descontraído, elas são acompanhadas por uma música criada pela Orquestra Sinfônica de Xangai especialmente para a técnica.
Segundo Fádua, o Lian Gong em 18 Terapias, em sua forma completa, compõe-se de três partes, sendo cada uma delas reunindo 18 exercícios. São 54 no total.
A primeira parte, chamada de anterior, previne e trata dos desequilíbrios e dores nas articulações, músculos e tendões. As três séries enfocam pescoço, ombros, costas, região lombar, glúteos e pernas.
A segunda parte, chamada de posterior, previne e trata inflamações nas articulações e tecidos, assim como disfunções orgânicas. Nessa série, o foco são as articulações dos membros superiores e inferiores e os órgãos internos. A terceira e última parte é composta por exercícios que visam fortalecer as funções do coração e do pulmão, atuando sobre as infecções da via respiratória.
Os movimentos praticados são amplos, realizados lentamente e de forma contínua. Eles também são coordenados com a respiração, aumentando a capacidade pulmonar, exercitando o diafragma e beneficiando também o sistema circulatório.
O Lian Gong foi criado pelo ortopedista Zhuang Yuan Ming em 1974. Seu objetivo com o novo método foi incluir mais o paciente no tratamento e conquistar mais adesão. A técnica deu tão certo quem, em 1980, o Ministério da Saúde da China elegeu o Lian Gong como um das três melhores técnicas a serem divulgadas na China.
Em 1997, o método chegou ao Brasil através da professora Maria Lúcia Lee.

Nenhum comentário:

Postar um comentário