Pesquisar este blog

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

SEDENTARISMO: PANDEMIA



Estudiosos britânicos já consideram o sedentarismo uma pandemia.


  • ThinkStock
    O ser humano tem tendência à inércia e, com as facilidades do mundo atual como carro, controle remoto, computador, smartphones, a verdade é que as pessoas têm se mexido cada vez menos O ser humano tem tendência à inércia e, com as facilidades do mundo atual como carro, controle remoto, computador, smartphones, a verdade é que as pessoas têm se mexido cada vez menos
Ninguém duvida que o sedentarismo traz prejuízos para a saúde, e isso a curto, médio e longo prazos. Pesquisas surgem a todo o momento comprovando o fato. A mais recente, publicada na revista médica britânica Lancet, estima que a falta de exercícios vem causando tantas mortes quanto o tabagismo.
Os estudiosos dizem que o problema é tão grave que deveria ser tratado com uma pandemia. Também, não é para menos: a inatividade é responsável por uma em cada dez mortes por enfermidades como problemas cardíacos, diabetes e câncer de mama ou colorretal. E mais: estima-se que um terço dos adultos não se mexam o suficiente, o que resulta na morte de 5,3 milhões de indivíduos por ano em todo o mundo.
Moisés Cohen, chefe do Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp e diretor do Instituto Cohen de Ortopedia, Reabilitação e Medicina do Esporte, concorda com a gravidade da questão. “Apesar de todo o estímulo à prática da atividade física e da divulgação constante das sequelas que a falta de exercício traz, vemos que o sedentarismo chegou a níveis epidêmicos na população mundial. Não diria que é uma pandemia, mas sem dúvida podemos arriscar falando em epidemia. O ser humano tem tendência à inércia e, com as facilidades do mundo atual – carro, computador, smartphones –, a verdade é que as pessoas têm se mexido cada vez menos.”
Segundo o médico, temos que combater o sedentarismo por uma questão de saúde, e não apenas estética. “A pessoa que não se movimenta acaba sujeita lesões de toda a ordem: no sistema locomotor, atingindo músculos, ossos e cartilagens; na parte clínica, provocando doenças cardiovasculares, diabetes, colesterol alto e outros distúrbios. Hoje, levando em conta a longevidade da população, precisamos pensar em como queremos chegar aos 80, 90 anos. Para ter qualidade de vida nesta faixa etária, é imprescindível investir agora em atividade física, e de forma completa: fazendo modalidades aeróbias e anaeróbias, para beneficiar o corpo como um todo.”
No Brasil, o estilo de vida preguiçoso é o vilão de 13,2% de todas as mortes provocadas por moléstias. A solução para o sedentarismo, considerado o mal do século, é a mudança generalizada de mentalidade, defendem os pesquisadores, com amplas campanhas dos governos para alertar o público.
“A inatividade contribui para a perda da forma, o que é preocupante quando sabemos que quase metade da população brasileira – 49% – com 20 anos ou mais está com excesso de peso”, salienta Taina Cicone Bartolo, professora de musculação da Academia Competition, em São Paulo, referindo-se aos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) concluiu que o sedentarismo atinge o mesmo índice: 49% da população verde-e-amarela.
A saúde reclama
Hipertensão arterial, diabetes, aumento das taxas de colesterol e triglicérides, infarto do miocárdio, males respiratórios, osteoporose, ansiedade, obesidade e morte súbita: eis alguns dos distúrbios que podem acometer quem cultiva a inércia total. “O estilo de vida estagnado é reconhecidamente um dos maiores fatores de risco para as doenças cardiovasculares”, ressalta Vivian Fonseca, personal trainer da Clínica Alan Landecker, em São Paulo.
“Isso sem falar que a pessoa tende a sentir mais dores musculares e articulares, como cervicalgia e lombalgia, se cansa facilmente ao caminhar um quarteirão ou subir um lance de escada, pena para carregar uma sacola ou bolsa mais pesada”, completa Taina, que atribui o agravamento da tendência ao estilo de vida eletrônico moderno, em que todos estão conectados e com seus controles remotos e aparelhos ao alcance da mão.
Mas, afinal, o que classificaria alguém como sedentário? Simplesmente a falta ou a insuficiência de atividades físicas no dia a dia. Isso não significa que a pessoa, necessariamente, tenha que praticar esportes ou fazer ginástica em uma academia. Muitas ações cotidianas são válidas para que o indivíduo se livre dessa pecha, como andar até o banco, subir escadas, limpar a casa.
“Se você não dispõe de tempo, tem preguiça ou não gosta de praticar uma modalidade, é valido, sim, trocar a escada rolante e o elevador pela escada normal, descer alguns pontos de ônibus antes e caminhar, estacionar o carro longe, passear com o cachorro na rua. O importante é ser ativo, ter iniciativa, não incorporar o espírito ocioso e indolente”, diz a professora da Competition.

Tem que ser regular

E nem é preciso se esfalfar horas a fio, de segunda a segunda, para ganhar o título de indivíduo ativo. Basta mexer o corpo 30 minutos, de três a quatro vezes por semana, de forma contínua ou acumulada. Quer dizer, se você anda a pé 15 minutos de manhã e, no fim do dia, faz outra ação intensa também por 15 minutos – como limpar a casa afastando móveis, esfregando azulejo e piso e limpando vidros –, está de bom tamanho. Mas é imprescindível ter regularidade. “Quem faz ginástica esporadicamente, tipo uma vez por semana, é considerado sedentário”, adverte Vivian.
Para virar o jogo e começar de fato, a modalidade mais recomendada é a caminhada, que pode ser realizada em qualquer lugar, a qualquer hora e em qualquer nível de condicionamento. “Depois, é possível passar para a corrida – e, neste caso, vale também fazer musculação, para garantir força muscular”, indica a personal trainer.
“Pedalar, nadar, dançar, jogar bola, o importante é investir no que gosta”, diz Taina Bartolo, enfatizando que a prática deve ser vista como hábito, e não obrigação. “Da mesma forma que você acorda e escova os dentes, almoça diariamente, toma banho, trabalha – o exercício precisa ser incorporado dessa maneira. Não importa como, mas mexa-se. Dê o primeiro passo, depois ficará muito mais fácil.”
FONTE: Rosana Farias de Freitas - http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2012/08/17/estudiosos-britanicos-ja-consideram-o-sedentarismo-uma-pandemia-faca-o-teste-e-descubra-se-voce-corre-riscos.htm

7 comentários:

  1. Spot on with this write-up, I really believe this website needs a lot more attention.

    I'll probably be back again to see more, thanks for the information!
    Also see my website - ortopedia online

    ResponderExcluir
  2. Hello!
    You're welcome!
    Thanks a lot.
    Joni

    ResponderExcluir
  3. Fascinating blog! Is your theme custom made or did you download it from somewhere?
    A theme like yours with a few simple adjustements would really make my
    blog shine. Please let me know where you got your theme.
    With thanks
    Feel free to visit my web page ortopedia

    ResponderExcluir
  4. My brother recommended I might like this website. He was
    entirely right. This post actually made my day. You can not imagine simply
    how much time I had spent for this info! Thanks!
    Also visit my web site ... ortopedia

    ResponderExcluir
  5. I am sure this paragraph has touched all the internet people, its really
    really nice paragraph on building up new weblog.
    Also visit my web page - ortopedia

    ResponderExcluir
  6. What's Happening i'm new to this, I stumbled upon this I've discovered It absolutely useful and it has helped me out loads. I'm hoping to contribute & help different users like its
    aided me. Great job.
    My weblog ... ortopedia

    ResponderExcluir
  7. I think that is one of the so much significant info for me.
    And i am happy studying your article. However should observation on few normal things,
    The website style is great, the articles is truly great : D.

    Excellent job, cheers
    Also visit my web site : ortopedia online

    ResponderExcluir