Pesquisar este blog

quinta-feira, 10 de outubro de 2013

DOENÇAS CARDIOVASCULARES e BARULHO DE AVIÃO

Estudo liga barulho de aviões a doenças cardíacas

Conviver com esse tipo de ruído pode provocar stress e elevar a pressão sanguínea, ambos fatores de risco para doenças cardiovasculares

Aviões: Barulho de aeroportos pode provocar doenças cardiovasculares
Aviões: Barulho de aeroportos pode provocar doenças cardiovasculares (Thinkstock)
Dois novos estudos, um americano e um britânico, mostram que pessoas que são expostas com frequência a níveis elevados de barulho de aviões apresentam um risco maior de sofrer alguma doença cardíaca. As pesquisas foram publicadas nesta terça-feira no periódico British Medical Journal. Para os especialistas, conviver com esse tipo de ruído pode provocar stress e elevar a pressão sanguínea — ambos fatores de risco para doenças cardiovasculares.
Segundo o estudo americano, para idosos que vivem em regiões onde o barulho de aeronaves é considerado alto o risco de hospitalização por esse tipo de doença é 3,5% maior do que para o restante das pessoas da mesma faixa etária. Na pesquisa, o ruído de aviões foi considerado elevado quando passava de 55 decibéis (dez acima do teto para zonas residenciais após as 22h, de acordo com a Lei do Psiu da cidade de São Paulo).
“Foi surpreendente descobrir que morar perto de um aeroporto, e assim estar mais exposto ao barulho de aeronaves, pode afetar sua saúde cardíaca, até mais do que a exposição à poluição do ar e ao barulho de tráfego”, afirma Francesca Dominici, professora da Escola de Saúde Pública de Harvard e uma das autoras do estudo.
Leia também:

Análise — A equipe de Dominici analisou a relação entre a poluição sonora de 89 aeroportos nos Estados Unidos e hospitalizações relacionadas a doenças cardiovasculares entre cerca de seis milhões de participantes, com 65 anos ou mais, no ano de 2009. Na análise, os pesquisadores ajustaram os dados para levar em consideração fatores como condição socioeconômica, questões demográficas e poluição do ar. Os resultados também mostraram que níveis mais elevados de barulho de aeronaves foram responsáveis por 2,3% das hospitalizações por doenças cardiovasculares entre as pessoas mais velhas que viviam perto dos aeroportos.
“Nosso estudo enfatiza que intervenções que reduzem a exposição ao barulho podem reduzir os riscos de doenças cardiovasculares entre pessoas que moram perto de aeroportos. Isso pode ser feito por meio da melhoria de tecnologia das aeronaves e otimização dos trajetos de voo, ou até isolando acusticamente casas e prédios”, afirma Jonathan Levy, professor de saúde ambiental da Universidade de Boston e um dos autores do trabalho.
Inglaterra – No segundo estudo, realizado em Londres, os pesquisadores investigaram o risco de derrames e doenças cardíacas entre 3,6 milhões de pessoas que viviam perto do Aeroporto de Londres Heathrow, um dos aeroportos mais movimentados do mundo. Foram usados dados de internação hospitalar e taxas de mortalidade por derrame, doenças coronárias e cardiovasculares de 2001 a 2005.
O estudo também chegou à conclusão de que há um risco maior para pessoas expostas a níveis mais altos de barulho de aeronaves, tanto de dia quanto à noite. Entre os participantes do estudo, cerca de 2% estavam expostos aos níveis mais altos de ruído. Nessas regiões, o risco aumenta de 10 a 20% para as doenças mencionadas. Os pesquisadores sugerem que mais estudos sejam realizados para avaliar se o barulho noturno pode ser a principal causa desse resultado, por atrapalhar o sono.

Nenhum comentário:

Postar um comentário